O texto desta página na língua original esloveno foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.
Traduções já disponíveis nas seguintes línguas.
Swipe to change

Divórcio e separação judicial

Eslovénia
Conteúdo fornecido por
European Judicial Network
Rede Judiciária Europeia (em Matéria Civil e Comercial)

1 Quais são as condições para obter o divórcio?

O direito esloveno reconhece: a) o divórcio por mútuo consentimento e b) o divórcio litigioso com base numa ação.

a) No caso de divórcio por mútuo consentimento, o tribunal pronuncia o divórcio, por força do artigo 64.º da Lei sobre o casamento e as relações familiares (Zakon o zakonski zvezi em družinskih razmerjih, ZZZDR), sob condição de que os cônjuges tenham chegado a acordo sobre a guarda, a educação e a subsistência dos filhos comuns e sobre os contactos dos filhos com os pais (devendo ser solicitado o parecer de um centro de ação social), e se tiverem apresentado, sob a forma de um ato notarial com força executiva, um acordo sobre a repartição dos bens comuns, sobre qual deles deve permanecer ou tornar-se locatário da habitação e sobre a subsistência do cônjuge que não tenha meios para tal e esteja em situação de desemprego involuntário;

b) Sempre que, por qualquer motivo, o casamento se tenha tornado «insustentável», qualquer dos cônjuges pode solicitar o divórcio apresentando um pedido de divórcio. Neste caso, é o tribunal que também decide sobre a guarda, a educação e a subsistência dos filhos comuns e o seu contacto com os pais. Antes de decidir, o tribunal é obrigado a solicitar o parecer de um centro de ação social.

Nos dois casos citados, o tribunal, ao receber um pedido de divórcio por mútuo consentimento ou um pedido de divórcio apresentado por um dos cônjuges, encarrega o centro de ação social competente de realizar uma entrevista de aconselhamento, a que ambos os cônjuges são obrigados a comparecer pessoalmente, sem a presença de mandatários. O centro de ação social comunica em seguida ao tribunal o resultado da entrevista de aconselhamento.

2 Quais são os motivos para requerer o divórcio?

  • A Lei sobre o casamento e as relações familiares reconhece apenas um motivo para o divórcio: que o casamento se tenha tornado insustentável. Isto significa que o casamento se deteriorou tão profunda e irremediavelmente que já não pode ser salvo. Um casamento só se pode considerar «insustentável» quando as relações entre os cônjuges não se deterioraram apenas temporariamente mas, por motivos graves, de forma profunda e irremediável. O caráter insustentável é avaliado em relação à situação no momento da audição, tendo em conta todas as circunstâncias que conduziram a essa situação. O tribunal estabelece igualmente o caráter insustentável da relação de casamento quando o divórcio requerido por um cônjuge é aceite pelo outro.
  • Um casamento pode ser dissolvido a pedido de qualquer dos cônjuges, não sendo necessário que o casamento seja insustentável para ambos.
  • A questão da culpa que tornaria a relação de casamento insustentável não é suscitada, e o tribunal também não a coloca durante o processo. Um casamento também pode ser dissolvido a pedido do cônjuge responsável pelo facto do casamento se ter tornado insustentável.

3 Quais são os efeitos jurídicos do divórcio no que se refere a:

Os efeitos jurídicos do divórcio são indicados seguidamente em pormenor:

3.1 relações pessoais entre os cônjuges (por exemplo, apelidos)

Uma pessoa que altera o seu nome (apelido) após o casamento pode, no prazo de seis meses a contar da decisão definitiva do divórcio ou de dissolução do casamento, apresentar uma declaração que ateste que deseja recuperar o apelido que tinha antes do casamento. Esta declaração só pode ser apresentada por uma pessoa que não tenha alterado mais nenhuma vez o apelido no decorrer do casamento (artigo 17.º da Lei sobre o nome próprio/Zakon o osebnem imenu, ZOI-1). A questão da alteração do apelido é uma matéria administrativa que é decidida não por um tribunal, mas por uma autoridade administrativo.

3.2 partilha dos bens do casal

Para efeitos da partilha dos bens comuns entre os cônjuges, a lei presume que os bens pertencem em partes iguais aos dois cônjuges. No entanto, o cônjuge que considerar que será colocado em situação de desvantagem com a partilha dos bens em partes iguais, pode solicitar que a sua parte seja determinada em proporção à sua contribuição para os bens comuns. Ao fazê-lo, o tribunal tem em conta não só os rendimentos de cada cônjuge, mas também outras circunstâncias, tais como a assistência que um dos cônjuges deu ao outro, a guarda e a educação dos filhos, a realização do trabalho doméstico, a preservação dos bens, bem como qualquer outra forma de trabalho e de participação na gestão, manutenção e valorização dos bens comuns.

3.3 filhos menores do casal

GUARDA E EDUCAÇÃO DOS FILHOS

Ø Em caso de divórcio por consentimento mútuo, os cônjuges devem chegar a acordo sobre a guarda e a educação dos filhos. Incumbe então ao tribunal apreciar se esse acordo é do interesse dos filhos. Os cônjuges podem estabelecer que:

  • ambos assumirão ou continuarão a assumir a guarda e a educação dos filhos, ou
  • um dos progenitores assumirá sozinho a guarda e a educação de todos os filhos, ou
  • alguns dos filhos serão confiados a um progenitor e os outros filhos ao outro progenitor.

Caso os pais não cheguem a acordo sobre este assunto, um centro de ação social deve ajudá-los a obter tal acordo.

Se os pais chegarem a acordo sobre a guarda e a educação dos filhos, podem requerer ao tribunal que consagre esse acordo mediante uma decisão, no quadro de um procedimento não litigioso.

Se não chegarem a acordo, ou se o acordo não for do interesse dos filhos, o tribunal não pode pronunciar o divórcio por mútuo consentimento. Para esse efeito, deve ser-lhe apresentada uma ação de divórcio.

Se, apesar da assistência de um centro de ação social, os pais não chegarem a acordo sobre a guarda e a educação dos filhos, o tribunal decide, a pedido de um ou de ambos os progenitores

  • que todos os filhos devem ser confiados à guarda e educação de um dos progenitores,
  • ou que alguns dos filhos devem ser confiados a um progenitor e os outros ao outro progenitor.
  • Em casos excecionais, o tribunal pode decidir que todos ou alguns dos filhos devem ser confiados à guarda e educação de uma terceira pessoa.

O tribunal deve solicitar o parecer de um centro de ação social antes da sua decisão. Para efeitos dessa decisão, deve ter igualmente em conta a opinião da criança, desde que seja expresso pela própria criança ou por uma pessoa da sua confiança e que tenha sido escolhida pela própria criança, e desde que esta última seja capaz de compreender o seu significado e consequências.

Ø Em caso de divórcio com base numa ação, e para regular as relações entre os cônjuges divorciados e os filhos menores comuns, o tribunal decide sobre a guarda e a educação dos filhos depois de ter acautelar o interesse superior das crianças. Também neste caso os pais podem acordar sobre a guarda e a educação dos filhos comuns no interesse destes últimos. As exigências em matéria de guarda e educação dos filhos num caso de divórcio por mútuo consentimento aplicam então mutatis mutandis. A questão do progenitor que terá a guarda dos filhos menores após o divórcio, sobre o contacto dos filhos com o outro progenitor e sobre a prestação de alimentos são parte integrante da decisão de divórcio.

CONTACTOS

  • Os progenitores devem tentar chegar a acordo sobre as modalidades do exercício dos contactos entre pais e filhos.
  • Se tiverem chegado a acordo, podem requerer que o tribunal emita uma decisão sobre esta matéria num procedimento não litigioso; se o tribunal considerar que o acordo não é do interesse das crianças, rejeita o pedido.
  • Se os progenitores não conseguirem chegar a acordo, o tribunal decide, a pedido de um deles (no caso de divórcio por mútuo consentimento, os cônjuges devem juntar à convenção de divórcio o acordo sobre os contactos, o qual é seguidamente incluído pelo tribunal na decisão de divórcio), que devem apresentar ao tribunal uma declaração do centro de ação social que certifique que primeiro tentaram chegar a acordo.
  • O tribunal decide sobre os contactos ex officio apenas quando a questão envolve o contacto após uma ação de divórcio ou após a dissolução do casamento dos pais das crianças.
    • O contacto é decidido em primeira instância por tribunais de distrito (okrožna sodišča) em processos não litigiosos, salvo se esses tribunais decidirem simultaneamente sobre os contactos e sobre o litígio respeitante à guarda e educação dos filhos; neste caso, a questão dos contactos é decidida no quadro de um processo cível.
    • Ao decidir sobre os contactos, os interesses da criança são de importância primordial: o contacto será considerado como contrário ao interesse da criança se representar uma pressão psicológica ou colocar em perigo o seu desenvolvimento físico e mental.
    • Para chegar a uma decisão, o tribunal deve também ter em conta a opinião da criança, se expresso pela própria criança ou por uma pessoa da sua confiança e que tenha sido escolhida pela própria criança, e desde que esta última seja capaz de compreender o seu significado e consequências.
    • Uma criança também tem o direito de contactar com outras pessoas com quem tenha laços familiares e que tenham uma ligação estreita e pessoal com a criança [por exemplo, os seus avós e (meios-) irmãos ou (meias-) irmãs].

PRESTAÇÃO DE ALIMENTOS a cônjuges e filhos

  • Os cônjuges podem, no que diz respeito à prestação de alimentos aos filhos, chegar a acordo celebrando uma convenção de alimentos perante um tribunal; neste caso, o tribunal emite uma decisão para esse efeito num processo não litigioso. Sempre que o acordo não seja do interesse da criança, o tribunal rejeita o pedido visando obter uma decisão de aprovação do acordo.
  • Sempre que os cônjuges não tenham chegado a acordo, nem por si próprios nem com a assistência de um centro de ação social, podem requerer que seja o tribunal a decidir. Antes de tomar uma decisão, o tribunal deve solicitar o parecer de um centro de ação social e deve também ter em conta a opinião da criança, caso a tenha manifestado e se for capaz de compreender a sua importância e consequências.
  • Os pais são obrigados a sustentar os filhos até estes atingirem a maioridade ou, no caso de um filho que tenha atingido a maioridade, até que este termine a escolaridade normal ou até que complete 26 anos, na medida em que a sua capacidade material e financeira o permita, de modo a assegurar o interesse da criança (desenvolvimento global da criança).
  • A pensão de alimentos é calculada em função das necessidades da criança em causa e tendo em conta a capacidade material e financeira do progenitor responsável por pagar essa pensão. Na atribuição da pensão de alimentos, o tribunal é obrigado a ter em conta os interesses da criança, para que a pensão de alimentos seja adequada para garantir o seu bom desenvolvimento físico e mental. O montante da pensão de alimentos é indexado uma vez por ano em relação ao índice de preços no consumidor da República da Eslovénia.
  • O cônjuge ou parceiro extramarital é obrigado a sustentar os filhos menores do seu parceiro se viver com o filho menor do parceiro e se nenhum dos pais da criança puder prestar alimentos ao filho menor.
  • Os filhos que tenham atingido a maioridade são obrigados a sustentar os seus pais se estes não dispuserem de meios de subsistência suficientes e não conseguirem obter tais meios, e se um progenitor dependente não puder ser sustentado pelo seu cônjuge.

3.4 obrigação de pagar alimentos ao outro cônjuge

  • O cônjuge que não tenha meios de subsistência e estiver em situação de desemprego involuntário tem direito a uma pensão de alimentos.
  • A pensão de alimentos pode ser solicitada durante o processo de divórcio ou numa ação especial distinta no prazo de um ano após a dissolução definitiva do casamento, se as condições para tal pensão estiverem preenchidas à data do divórcio e ainda existirem no momento do pedido da pensão de alimentos.
  • Em caso de divórcio, os cônjuges podem chegar a acordo sobre a pensão de alimentos mediante a celebração de uma convenção de alimentos perante um notário sob a forma de um ato notarial com força executiva.
  • A pensão de alimentos é definida para um período indeterminado ou determinado, conforme necessário para permitir ao cônjuge beneficiário encontrar um novo emprego e fazer face à sua nova situação.
    • O montante da pensão de alimentos é calculada em função das necessidades do requerente e as capacidades da pessoa a quem cabe pagá-la. Essa pensão é fixada antecipadamente, sob a forma de um montante mensal, exigível a partir do momento em que é apresentado o pedido nesse sentido. Em casos excecionais, pode ser paga de uma só vez, num montante único.
    • O tribunal rejeita um pedido de pensão de alimentos se o seu pagamento ao cônjuge beneficiário for injusto para a pessoa responsável pelo pagamento, tendo em conta as razões que levaram o casamento a tornar-se insustentável, ou se o beneficiário tiver cometido uma infração penal contra o devedor ou qualquer pessoa da sua família próxima, antes ou depois do processo de divórcio.
    • Um cônjuge não é obrigado a sustentar o outro se ao fazê-lo comprometer a sua própria capacidade de subsistência ou a de qualquer filho menor que por lei esteja obrigado a sustentar.
    • A pensão de alimentos é indexada uma vez por ano em relação ao índice de preços no consumidor da República da Eslovénia.

4 O que significa, na prática, o conceito de «separação judicial»?

A «comunhão de vida» (življenjska skupnost) constitui um elemento essencial do casamento (artigo 3.º da Lei sobre o casamento e as relações familiares). A dissolução de uma comunhão de vida (prenehanje življenjske skupnosti), ou a separação judicial, significa a dissolução definitiva dos elementos essenciais constitutivos das relações mútuas entre os cônjuges. O fim da comunhão de vida põe termo à comunhão económica e aos laços íntimos e afetivos entre os cônjuges, tal como o agregado familiar comum, etc.

5 Quais são os motivos para a separação judicial?

A lei não especifica as condições para a separação judicial. Os tribunais decidem sobre a separação judicial em cada procedimento concreto, em função das circunstâncias e características do caso em apreço.

6 Quais são os efeitos jurídicos da separação judicial?

A separação judicial não tem efeitos sobre a existência de um casamento; isto significa que, por conseguinte, é apenas a comunhão de vida que se dissolve e não o casamento. É exigida uma ação ou pedido de separação por consentimento mútuo para pôr termo a um casamento. Tal implica a separação dos bens comuns dos cônjuges. Um cônjuge dependente pode solicitar a um tribunal uma pensão de alimentos no prazo de um ano após a pronúncia da separação judicial.

7 O que significa, na prática, o conceito de «anulação do casamento»?

A noção de anulação significa que, no momento em que o casamento foi celebrado, as condições exigidas por lei para a sua validade não estavam reunidas (por exemplo, falta de livre vontade, consentimento forçado ou dado por erro, o casamento não foi contraído em conformidade com o procedimento prescrito, foi contraído entre familiares próximos ou por uma pessoa com doença mental grave ou com insuficiente entendimento). Os efeitos jurídicos do casamento deixam de se produzir no dia em que a sentença de anulação se torna definitiva.

8 Quais são as condições para a anulação do casamento?

Ø Um casamento não se torna inválido de jure, mas deve ser declarado nulo por meio de uma decisão judicial.

Ø O direito esloveno faz uma distinção entre uma nulidade relativa e absoluta do casamento. A distinção reside na categoria de pessoas que podem pedir a anulação do casamento.

a) As razões para a nulidade relativa são:

  • deficiência mental grave ou entendimento insuficiente aquando da celebração do casamento (pedido de anulação por um dos cônjuges, mas apenas depois da cessação dessa situação),
  • se o consentimento para o casamento tiver sido forçado ou dado por erro (pedido de anulação pelo cônjuge que foi forçado a contrair casamento ou que o contraiu por erro),
  • se o casamento tiver sido contraído por uma pessoa com idade inferior a 18 anos (pedido de anulação pelos progenitores ou pelo tutor).

b) As razões para a nulidade absoluta são as seguintes: as pessoas com direito a intentar uma ação são, além dos próprios cônjuges, determinados terceiros com interesse direto na anulação do casamento — por exemplo, outros herdeiros de um cônjuge falecido podem, após a morte deste último, intentar uma ação para anular o casamento, a fim de que o cônjuge vivo perca o seu direito à sucessão; por outro lado, os beneficiários também podem apresentar uma ação após a anulação do casamento; uma ação pode também ser apresentada por um magistrado do ministério público.

  • deficiência mental grave ou entendimento insuficiente por parte de um cônjuge, devendo esta situação persistir no momento em que a anulação é solicitada,
  • um cônjuge ainda era casado no momento em que o casamento foi celebrado,
  • os cônjuges são parentes em linha direta ou colateral até ao quarto grau inclusive,
  • os cônjuges não estavam presentes na celebração do casamento ou um dos cônjuges e o representante do outro não estavam presentes,
  • os cônjuges não contraíram casamento com a intenção de manter um agregado familiar comum.

9 Quais são os efeitos jurídicos da anulação do casamento?

A anulação do casamento começa a produzir efeitos no dia em que a sentença de anulação se torna definitiva. No que se refere às relações patrimoniais entre os cônjuges, à pensão de alimentos a um cônjuge dependente, à devolução de presentes entre os cônjuges e à relação dos cônjuges com os filhos comuns, os efeitos jurídicos da anulação do casamento são os mesmos do divórcio.

10 Existem meios extrajudiciais alternativos para resolver as questões relativas ao divórcio sem recorrer a tribunal?

A Lei sobre a mediação em matéria civil e comercial (Zakon o mediaciji v civilnih no gospodarskih zadevah), que entrou em vigor em junho de 2008, regula a mediação em litígios em relações de direito civil, comerciais, de trabalho, família e outras relações patrimoniais em relação a pedidos que as partes podem livremente invocar e resolver, salvo disposições em contrário aplicáveis a estes tipos de litígios. Um casamento não pode ser dissolvido sem a intervenção de um tribunal, junto do qual deve ser apresentada uma ação ou um pedido por consentimento mútuo para esse efeito.

11 Onde devo apresentar o pedido de divórcio/separação judicial/anulação do casamento? Quais são as formalidades a respeitar e quais os documentos que devem ser juntos ao processo?

  • Por força do artigo 32.º do Código de Processo Civil (Zakon o pravdnem postopku), os tribunais de distrito são competentes para conhecer litígios matrimoniais (no que respeita ao divórcio ou à anulação do casamento; o direito esloveno não reconhece um pedido distinto para a separação judicial).

Devem ser anexadas à ação ou ao pedido uma certidão do registo de casamento e as certidões de nascimento, enquanto na audiência deve ser apresentado um documento de identidade.

  • Ao seu pedido de divórcio por mútuo consentimento, os cônjuges também devem juntar os documentos seguintes:              
    • uma convenção sobre a guarda, educação e sustento dos eventuais filhos comuns e sobre os contactos com os pais (é exigido o parecer de um centro de ação social),
    • uma convenção sobre a partilha dos bens comuns sob a forma de um ato notarial com força executiva,
    • uma convenção sobre o cônjuge que irá permanecer ou tornar-se o locatário da casa de morada da família,
    • uma convenção sobre a prestação de alimentos ao cônjuge que não tem meios de subsistência e está em situação de desemprego involuntário.

12 É possível obter apoio judiciário para cobrir as custas do processo?

Um tribunal isenta uma parte do pagamento das despesas judiciais se esse pagamento reduzir significativamente os recursos financeiros de que dispõe o interessado para a sua própria subsistência ou a de membros da sua família. Os cidadãos estrangeiros, se assim previsto por um tratado internacional ou em caso de reciprocidade, estão isentos do pagamento de despesas judiciais (artigos 10.º e 11.º da Lei sobre as despesas judiciais/Zakon o sodnih taksah, ZST-1).

Uma parte pode solicitar apoio judiciário para cobrir os honorários de um advogado e/ou perito; a decisão de concessão de apoio judiciário incumbe ao tribunal de distrito da área em que o requerente reside permanentemente. No quando deste procedimento, o tribunal avalia os critérios (por exemplo, de fundo e económicos), tendo em conta as disposições da Lei sobre o apoio judiciário gratuito (Zakon o brezplačni pravni pomoči).

13 É possível recorrer da decisão de divórcio/separação judicial/anulação do casamento?

Pode ser interposto recurso contra uma decisão em matéria de divórcio ou anulação do casamento num tribunal superior (višja sodišče), geralmente no prazo de 15 dias. Uma decisão de divórcio proferida no termo de um processo de divórcio por mútuo consentimento pode ser contestada:

  • por violações essenciais de disposições do processo civil;
  • se uma parte consentiu em requerer o divórcio por erro, sob coação ou embuste;
  • se as condições jurídicas para o divórcio por mútuo consentimento não foram preenchidas.

Não é permitida a revisão («revizija» - via de recurso extraordinária) nos litígios matrimoniais.

14 Como se pode reconhecer neste Estado Membro uma decisão judicial de divórcio/separação judicial/anulação do casamento proferida por um tribunal de outro Estado-Membro da União Europeia?

Em conformidade com o artigo 21.º do Regulamento (CE) n.º 2201/2003, uma decisão judicial proferida noutro Estado-Membro é reconhecida sem que seja necessário recorrer a qualquer outro procedimento.

Qualquer parte interessada pode requerer uma decisão de reconhecimento ou de não reconhecimento de uma decisão judicial. Neste caso, a parte deve apresentar um pedido de declaração de executoriedade no tribunal de distrito competente da Eslovénia.

15 A que tribunal me devo dirigir para contestar o reconhecimento de uma decisão de divórcio/separação judicial/anulação do casamento proferida por um tribunal noutro Estado-Membro da União Europeia? Qual é o procedimento aplicável nestes casos?

O direito da Eslovénia aplica-se ao procedimento de apresentação de um pedido.

A parte que invoca ou contesta o reconhecimento de uma decisão judicial, ou que requer uma declaração de executoriedade, deve apresentar:

  • uma cópia da decisão judicial que preencha as condições necessárias à sua autenticidade;
  • um certificado, mediante formulário normalizado, da decisão judicial proferida sobre o litígio matrimonial.

16 Qual é a lei aplicável numa ação de divórcio em que o casal não resida neste Estado Membro ou cujos membros tenham nacionalidades diferentes?

As disposições do Regulamento (CE) n.º 2201/2003 (Bruxelas II bis) aplicam-se principal e diretamente às questões de competência internacional envolvendo cidadãos e residentes dos Estados-Membros da UE.

Se os cônjuges são cidadãos de países diferentes quando a ação é apresentada, são aplicadas as disposições cumuladas das legislações respetivas dos países dos quais são cidadãos, em conformidade com o direito nacional esloveno (artigo 37.º, segundo parágrafo, da Lei relativa ao direito internacional privado e ao processo conexo/Zakon o mednarodnem zasebnem pravu em postopku).

Se o casamento não puder ser dissolvido nos termos da lei dos países dos quais os cônjuges são cidadãos, a lei da Eslovénia é aplicada à dissolução do casamento se, no momento em que a ação for apresentada, um dos cônjuges estiver a residir permanentemente na Eslovénia.

Se um dos cônjuges for um cidadão esloveno sem residência permanente na Eslovénia, e o casamento não puder ser dissolvido nos termos da lei especificada no segundo parágrafo do artigo 37.º da Lei relativa ao direito internacional privado e ao processo conexo, aplica-se a lei da Eslovénia ao divórcio.

Ligações úteis

http://www.pisrs.si/Pis.web/

https://www.uradni-list.si/

http://www.dz-rs.si/wps/portal/Home/deloDZ/zakonodaja/preciscenaBesedilaZakonov

http://www.sodisce.si/

Última atualização: 05/03/2018

A manutenção da versão desta página na língua nacional é da responsabilidade do respetivo ponto de contacto para a Rede Judiciária Europeia. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão e a RJE declinam toda e qualquer responsabilidade relativamente às informações ou dados contidos ou referidos no presente documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.