O texto desta página na língua original croata foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.
Swipe to change

Victims' rights - by country

Não há tradução oficial do texto que está a consultar.
Pode acederaquia uma tradução automática do texto. Nota: a tradução automática destina-se apenas a facilitar a compreensão de textos numa língua estrangeira. O proprietário desta página declina qualquer responsabilidade pela qualidade do texto traduzido automaticamente.

Victims of crime have a number of rights in pre-trial and criminal proceedings, with particular protection being afforded to children and victims of crimes against sexual freedom and human trafficking

A victim of a crime has the right to:

  • information that the police, the investigator, the state attorney's office (državno odvjetništvo) and the court have a duty to provide;
  • effective psychological and other expert assistance and support from bodies, organisations and institutions that support victims of crime;
  • participate in criminal proceedings as the injured party,
  • be informed by the state attorney (državni odvjetnik) regarding action taken on the basis of the victim’s report, and to file a complaint to a senior state attorney (viši državni odvjetnik);
  • state-funded specialist counselling if he/she suffers very severe psychosomatic damage or very serious consequences of the crime;
  • file an associated action for damages;
  • compensation in accordance with a separate law if he/she has suffered grievous bodily harm or serious deterioration of health as a result of violent crime.

A victim of a crime against sexual freedom or a crime of human trafficking has the following rights in addition to those mentioned above:

  • to speak with a counsellor prior to being interviewed, with the cost being met by the budget;
  • state-funded legal aid;
  • to be interviewed by a person of the same sex at the police station or state attorney's office;
  • to have a person of trust present during the interview;
  • to refuse to answer unnecessary questions relating to his/her personal life;
  • to ask to be interviewed via an audio-visual device;
  • confidentiality of personal data;
  • to demand the exclusion of the public from the hearing;
  • to be informed of these rights by the court, state attorney and the police before the first interview.

If a child is the victim of crime, he/she has the following rights in addition to those mentioned above:

  • state-funded legal aid;
  • to be accompanied by a person of trust when participating in procedures;
  • confidentiality of personal data;
  • to be interviewed in his/her home or another specially equipped location instead of a court;
  • the exclusion of the public;
  • for the questioning to be conducted without the judge or parties present in the same room with the child, through audio-video devices operated by a professional assistant;
  • for particular care to be taken during the interview so that the child’s mental health is not adversely affected.

Children are all persons under the age of 18 years.

Child witnesses and victims are to be examined by the investigating judge at the evidentiary hearing, and a child witness is to be subpoenaed through his/her parents or guardians.

Private prosecution

When a crime is reported, the state attorney will prosecute ex officio in most cases.

A private prosecution may be brought in the case of crimes for which criminal proceedings are launched on the basis of a private prosecution. The private prosecution must be brought within three months of the date when the authorised natural or legal person learned of the crime and the offender.

Associated action for damages

A victim of crime is also an injured party and is entitled to file an associated action for damages before the court.

Such an action may include the following claims:

  • compensation for damages, which can be tangible or intangible (pain suffered, fear);
  • return of belongings — if the injured party can prove that he/she was the owner or lawful holder;
  • annulment of a specific transaction — if the crime resulted in a property transaction (if the defendant forced the victim to conclude a contract).

An associated action for damages may be filed in criminal proceedings or in separate civil proceedings against the defendant. If the action is filed during criminal proceedings, a prerequisite for its acceptance is that the court finds the defendant guilty.

That is not a prerequisite for the success of an action in civil proceedings.

Rights of injured parties during an investigation and in criminal proceedings

During an investigation the victims of a crime, as private prosecutors and injured parties, are entitled to present facts and move to introduce evidence that is material for ascertaining the crime, identifying the offender(s) and establishing their claims in the associated action for damages.

A victim who takes part in criminal proceedings as an injured party has the right to:

  • use his/her own language, including deaf and deafblind sign language, and to the assistance of an interpreter if he/she does not understand or use Croatian, or to the assistance of a translator or sign language interpreter if he/she is deaf or deafblind;
  • use his/her own language;
  • file an associated action for damages and motions for temporary injunctions;
  • a representative;
  • present facts and move to introduce evidence;
  • attend the evidentiary hearing;
  • attend the proceedings, take part in the evidentiary proceedings and make a closing statement;
  • access the case file;
  • ask to be informed by the state attorney in respect of action taken on the basis of his/her report and file a complaint to a senior state attorney;
  • appeal;
  • file a motion to prosecute and bring a private prosecution;
  • receive notice of the rejection of a criminal charge or of the decision of the state attorney not to prosecute;
  • prosecute instead of the state attorney;
  • seek restoration of the previous situation;
  • receive notice of the outcome of the criminal proceedings.

The state attorney’s office and the court are obliged to examine, both before, and at each stage of, the criminal proceedings, whether there is any possibility of the accused making amends to the injured party for the damage caused by the crime. They are also obliged to inform the injured party of certain rights laid down by law (the injured party’s right to use his/her own language, the right to file an associated action for damages, etc.).

Right to financial compensation

The Act on Financial Compensation for Victims of Crime (Zakon o novčanoj naknadi žrtvama kaznenih djela) (Narodne Novine (NN; Official Gazette of the Republic of Croatia) Nos 80/08 and 27/11) lays down a right to financial compensation for victims of crime involving violence committed with intent in Croatia, or for their relatives under the conditions set out in that Act.

It establishes a right to financial compensation for victims of violent crime committed with intent and specifies the prerequisites and procedure for exercising the right to compensation, the bodies that take decisions and participate in the decision-making process on the right to compensation and the bodies and procedure in cross-border cases.

Victims of violent crime committed with intent have a right to financial compensation from the national budget.

The police, the state attorney's office and the courts are required to provide information on the right to compensation, supply the necessary application forms and, at the victim’s request, give general guidance and information on how to fill out an application and on the supporting documents that are required.

Applications for financial compensation must be submitted to the Ministry of Justice on the form which can be downloaded from the Ministry’s website.

Application form for financial compensation for victims of crime_hr  PDF (223 Kb) hr

Applications must be submitted within six months of the date on which the crime was committed. If there are legitimate reasons why a victim was unable to submit such an application within the deadline, he/she must do so within three months of the date on which those reasons cease to exist, and in any event within three years of the date on which the crime was committed.

If the victim is a minor or a person who has been stripped of contractual capacity and his/her legal representative did not submit an application within six months of the date on which the crime was committed, the period of six months starts to run from the person‘s eighteenth birthday or from the day on which criminal proceedings are launched after the victim has reached the age of majority or from the day when the person’s contractual capacity is restored.

Persons entitled to financial compensation:

  • victims of crime involving violence who are citizens of the Republic of Croatia, citizens of a Member State of the European Union or permanently resident in the European Union, and if the crime was committed in Croatia;
  • a victim who has suffered grievous bodily harm or whose health has deteriorated as a result of the crime (such a person is entitled to compensation for the costs of treatment, provided that it is not covered by mandatory health insurance, up to the amount of health insurance in the Republic of Croatia, and compensation for loss of earnings up to the amount of HRK 35 000);
  • a person who is a close relative of the deceased victim (spouse or partner, child, parent, adoptive parent, adopted child, step-parent, step-child, same-sex partner, grandparent and grandchild if they belonged to the same household as the victim) (such a person is entitled to compensation of up to HRK 70 000 for the loss of statutory maintenance);
  • in the event of the death of a victim, the person who paid the funeral expenses is entitled to compensation of up to HRK 5 000;
  • if a crime is reported to or filed by the police or the public prosecutor's office within six months from the date on which it was committed, regardless of whether or not the offender is known.

When the amount of compensation is established, account is taken of the victim’s conduct during and after the crime or his/her contribution to the causing of the damage and to the extent of the damage, whether the person is an immediate victim and whether he/she reported the crime to the competent authorities and when. In addition, an assessment is made of the victim’s cooperation with the police and the competent authorities in order to bring the offender to justice, account being taken of whether the immediate victim helped to cause the damage or exacerbated the damage; in any of these cases the compensation to which the victim is entitled will be reduced accordingly. An application for compensation will be refused, or the amount reduced, if the victim is found to be involved in organised crime or a criminal organisation. Compensation may also be refused, or the amount reduced, if the granting of full compensation would be contrary to the principle of fairness, morality and public policy.

Notice of offender's release

When a defendant is sentenced to imprisonment, the Independent Service for Victim and Witness Support at the Ministry of Justice will inform the victim of the prisoner's release date (unconditional release and release on probation).

Statutory obligation to inform victims of prisoner release

In accordance with the provisions of the Act Amending the Execution of Prison Sentences Act (Zakon o izmjenama i dopunama Zakona o izvršenju kazne zatvora), the Independent Service for Victim and Witness Support at the Ministry of Justice is required to inform the victim, injured party or his/her family about the release of a prisoner.

Victims are notified of the release of a prisoner in cases of crimes against sexual freedom and sexual morality, life and limb or crimes involving violence.

The information mentioned above is provided to a victim, injured party or his/her family, irrespective of whether the prisoner is being released unconditionally or on probation.

Moreover, when a decision is being taken on the advisability of allowing a prisoner to leave prison for his/her place of permanent or temporary residence, penitentiaries/prisons may require the probation service to establish the attitude of the victim or the victim’s family to the crime that was committed. The Independent Service for Victim and Witness Support draws up reports for the probation service on the basis of its discussions with the victim.

Support for witnesses and victims

Support for victims and witnesses in the Republic of Croatia is coordinated by the Independent Service for Victim and Witness Support (Samostalna služba za podršku žrtvama i svjedocima) at the Ministry of Justice.

Victims and witnesses can obtain support and information on their rights and on procedures from the Victim and Witness Support Department of a court.

Such departments have been set up at seven county courts (županijski sudovi), namely in Zagreb, Zadar, Osijek, Vukovar, Split, Sisak and Rijeka. The departments provide victims (and witnesses) and persons accompanying them with emotional support, practical information and information on rights. Support is also provided by departments of competent municipal and misdemeanour courts (općinski and prekršajni sudovi).

Victims can also obtain information about their rights and the types of assistance available to them by calling the free phone number 116 006 of the National Call Centre for Victims of Crimes and Misdemeanours (see the website of the National Call Centre).

The Ministry of Justice also provides victims and witnesses with support and information about their rights, and inquiries may be sent via email to: zrtve.i.svjedoci@pravosudje.hr or to the website of the Croatian Ministry of Justice: https://pravosudje.gov.hr/

Support for victims and witnesses in cross-border cases

The Independent Service for Support to Victims and Witnesses, which has been set up at the Ministry of Justice, provides support and information to both witnesses and victims who are summoned through international legal assistance (including witnesses of war crimes).

Information letters are sent to witnesses who are summoned to give testimony at courts in the Republic of Croatia, or to Croatian witnesses who are summoned to appear before foreign courts.

Witnesses of war crimes are provided with physical protection, where necessary, and assistance for preparing their journey and their appearance before the competent judicial body (in the case of witnesses and other parties who are summoned for questioning in criminal proceedings relating to war crimes before competent judicial bodies in the Republic of Croatia, or outside Croatia when such support relates to a request for international legal assistance).

Click on the links below to find the information that you need

1 - My rights as a victim of crime

2 - Reporting a crime and my rights during the investigation or trial

3 - My rights after trial

4 - Compensation

5 - My rights to support and assistance

Last update: 04/07/2018

The national language version of this page is maintained by the respective Member State. The translations have been done by the European Commission service. Possible changes introduced in the original by the competent national authority may not be yet reflected in the translations. The European Commission accepts no responsibility or liability whatsoever with regard to any information or data contained or referred to in this document. Please refer to the legal notice to see copyright rules for the Member State responsible for this page.
Member States in charge of the management of national content pages are in the process of updating some of the content on this website in the light of the withdrawal of the United Kingdom from the European Union. If the site contains content that does not yet reflect the withdrawal of the United Kingdom, it is unintentional and will be addressed.

O texto desta página na língua original croata foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.

1 - Os meus direitos enquanto vítima de crime

Que tipo de informações me serão comunicadas pelas autoridades (por exemplo, polícia, Ministério Público) depois de o crime ser cometido, mas antes de eu o denunciar?

O Código de Processo Penal não regulamenta o teor das informações fornecidas à vítima após o cometimento do crime e antes de ela o denunciar. Qualquer pessoa tem o direito e a possibilidade de se dirigir ao Ministério Público para apresentar uma denúncia, uma declaração ou observações sobre uma matéria da competência deste órgão. A pessoa que se dirigir ao Ministério Público será informada sobre como denunciar o crime e receberá outras informações básicas sobre os seus direitos e obrigações.

Os agentes de polícia são obrigados a registar a denúncia de um crime, que é automaticamente objeto de um processo.

Além disso, qualquer pessoa tem direito a uma proteção policial adequada se houver motivos fundamentados para tal.

Os serviços de apoio às vítimas e às testemunhas, criados por sete tribunais condais, prestam apoio psicológico e informações às vítimas, às testemunhas e aos seus familiares sobre os seus direitos (incluindo informações de caráter técnico e prático). As informações e o apoio são prestados independentemente da fase do processo. A vítima receberá informações e apoio mesmo que não denuncie o crime. Estes serviços encaminham também as vítimas e as testemunhas, consoante as suas necessidades, para instituições e organizações especializadas da sociedade civil.

Não resido no país da UE onde ocorreu o crime (nacionais da UE e de países terceiros). Como são os meus direitos protegidos?

As disposições que estabelecem os direitos das vítimas e das partes civis aplicam-se de igual modo independentemente da nacionalidade, visto que a legislação penal croata é aplicável a qualquer pessoa que cometa um crime no território da Croácia. As partes e participantes no processo têm direito a utilizar a sua língua materna.

De acordo com o Código de Processo Penal e a lei sobre as (indemnizações às) vítimas de crimes, a polícia, o Ministério Público e os tribunais são obrigados a informar as vítimas de crimes dos direitos que lhes assistem ao abrigo desta legislação. Assim, o Ministério Público e os tribunais são obrigados a apreciar a possibilidade, antes do processo penal e em qualquer fase do mesmo, de o arguido indemnizar a parte civil por quaisquer perdas ou danos que tenha sofrido em resultado do crime, e a informar a parte civil do seu direito de utilizar a sua língua materna e apresentar um pedido de indemnização com constituição de parte civil (direito à indemnização), oralmente, numa língua que a vítima compreenda, ou por escrito, em croata ou em inglês. De igual modo, o Ministério Público e os tribunais são obrigados a prestar à vítima, a seu pedido, informações e instruções gerais sobre como apresentar o pedido de indemnização e os documentos que o devem acompanhar. As brochuras com informações sobre o direito à indemnização da vítima e o formulário do pedido de indemnização estão disponíveis em croata e em inglês. Estes documentos, nas versões croata e inglesa, podem ser descarregados a partir do sítio Web do Ministério da Justiça da Croácia.

Qualquer vítima que denuncie um crime será informada dos seus direitos pela polícia. Depois de informar a vítima oralmente, o agente de polícia fornecer-lhe-á informações por escrito sobre os seus direitos e as informações disponíveis sobre os serviços de proteção e apoio às vítimas, incluindo o número da linha telefónica gratuita de apoio às vítimas.

A polícia disponibiliza uma brochura informativa noutras línguas para as pessoas que não falem nem compreendam o croata.

Os voluntários do Centro Nacional de Chamadas para o Apoio às Vítimas de Crimes (116-006) prestam-lhes apoio psicológico, informações sobre os seus direitos e informações práticas. Encaminham-nas também para outros serviços e organizações especializados para assegurar que recebem informações suplementares e outros tipos de apoio e assistência de que necessitem. Este serviço telefónico funciona nos dias úteis das 8h00 às 20h00, estando o pessoal habilitado a atender chamadas em croata e em inglês.

Se denunciar um crime, que informações me serão comunicadas?

a) A vítima e a parte civil têm direito, no prazo de dois meses após a apresentação de uma queixa ou da denúncia de um crime, a solicitar ao Ministério Público informações sobre as medidas tomadas no seguimento da queixa ou da denúncia. Serão informadas pelo Ministério Público das medidas tomadas dentro de um prazo razoável, o mais tardar trinta dias a contar da data do pedido, a menos que o pedido ponha em risco a eficácia do processo. A decisão de não prestar tais informações tem de ser comunicada à vítima ou à parte civil que apresentou o pedido.

b) O Ministério Público decidirá a suspensão da investigação se:

  • o crime de que a pessoa é acusada não for passível de processo automático;
  • as circunstâncias excluírem a culpabilidade do arguido, exceto se o crime tiver sido cometido sob o efeito de perturbações mentais;
  • o processo contra o crime prescrever, o crime for objeto de perdão ou amnistia ou existirem outras circunstâncias que excluam a acusação; e
  • não houver provas de que o arguido tenha cometido o crime.

A decisão de suspender a investigação é enviada à parte civil e ao arguido, o qual será imediatamente libertado se estiver em prisão preventiva. Além da carta sobre a decisão, a parte civil receberá informações, nos termos do artigo 55.º do Código de Processo Penal, sobre como agir para poder prosseguir com a acusação por sua própria iniciativa.

c) Depois de apreciar a denúncia e efetuar uma verificação no sistema de informação do Ministério Público, o procurador rejeitará a denúncia mediante decisão fundamentada se concluir que:

  • o crime não é passível de processo automático;
  • o processo contra o crime prescreveu, o crime foi objeto de perdão ou amnistia, o crime já foi julgado com caráter definitivo, ou existem outras circunstâncias que excluem a acusação;
  • as circunstâncias excluem a culpabilidade;
  • não existem indícios concretos de que o acusado cometeu o crime denunciado; ou
  • o teor da denúncia sugere que esta não é credível.

Não é possível recorrer da decisão de rejeição da denúncia pelo procurador.

Salvo disposição em contrário do Código de Processo Penal, o procurador informará a vítima da sua decisão de rejeitar a denúncia, explicando as suas razões, no prazo de oito dias. O procurador informará também a vítima sobre como agir para poder prosseguir com a acusação por sua própria iniciativa. A pedido de uma das partes, o procurador informará rapidamente o autor da denúncia e a pessoa acusada da sua decisão de rejeitar a denúncia.

Se não puder avaliar a credibilidade das alegações com base na própria denúncia ou o teor desta não lhe der razões suficientes para decidir iniciar uma investigação ou recolher provas, o procurador investigará por sua própria iniciativa ou ordenará à polícia que o faça.

d) O responsável pela detenção libertará o detido de imediato se:

  • o procurador assim o ordenar;
  • o detido não for interrogado dentro do prazo legalmente previsto; ou
  • a detenção for levantada.

e) O procurador convocará uma testemunha ou um perito para o assistir na apreciação das provas. A convocatória pode também ser enviada pelo investigador por ordem do procurador. O tribunal convocará uma testemunha ou um perito para testemunhar numa audiência para apreciação de provas ou para comparecer numa audiência em tribunal. O organismo competente fixará antecipadamente a hora e o local da apreciação das provas. A pessoa convocada será avisada das consequências da sua não comparência.

Tenho direito a algum serviço gratuito de interpretação ou tradução (ao contactar com a polícia ou outras autoridades ou no decorrer da investigação e do julgamento)?

Uma vítima que participe num processo penal enquanto parte civil tem direito a:

  • exprimir-se na sua língua, incluindo em linguagem gestual, e pedir a assistência de um intérprete, se não compreender nem falar o croata, ou de um intérprete de linguagem gestual, caso a parte civil seja surda ou cega e surda.

Como procedem as autoridades para que eu possa compreendê-las e para que elas me compreendam (se eu for menor ou portador(a) de deficiência)?

Salvo disposição em contrário de uma lei especial, é o juiz de instrução que ouve as testemunhas com menos de 14 anos. A audição decorrerá sem a presença do juiz ou das partes na mesma divisão que a criança, com a ajuda de um dispositivo audiovisual operado por um assistente profissional. A audição terá a assistência de um psicólogo, educador ou outro profissional competente, podendo também ter a presença de um progenitor ou tutor, salvo se tal for contrário aos interesses da investigação ou da criança. As partes podem colocar perguntas à testemunha menor através de um profissional, com a aprovação do juiz de investigação. A audição será gravada por um dispositivo audiovisual e a gravação será selada e apensa à ata. A testemunha menor só poderá ser convocada para uma segunda audição em circunstâncias excecionais, seguindo o mesmo procedimento.

Salvo disposição em contrário de uma lei especial, é o juiz de instrução que ouve as testemunhas com 14 a 18 anos de idade. O menor, em especial se for a vítima do crime, será tratado de modo a assegurar que o interrogatório não tenha efeitos negativos no seu estado psicológico. Será dada especial atenção à sua proteção.

Qualquer testemunha que não possa responder a uma convocação por razões de velhice, doença ou deficiência pode ser ouvida na sua própria residência ou noutro local. Esta testemunha pode ser ouvida com a ajuda de um dispositivo audiovisual operado por um profissional. Se o estado de saúde da testemunha assim o exigir, o interrogatório será conduzido de modo a permitir que as partes lhe coloquem perguntas sem estar presentes na mesma divisão. Se necessário, a audição será gravada por um dispositivo audiovisual e a gravação será selada e apensa à ata. Este interrogatório será seguido, a seu pedido, pela vítima de um crime de abuso sexual, tráfico de seres humanos ou violência doméstica na qualidade de testemunha. Esta testemunha só poderá ser convocada para uma segunda audição em circunstâncias excecionais, se o tribunal o considerar necessário.

Serviços de apoio às vítimas

Quem presta apoio às vítimas?

Os serviços de apoio às vítimas e às testemunhas, criados por sete tribunais condais (Zagreb, Osijek, Split, Rijeka, Sisak, Zadar e Vukovar) prestam apoio às vítimas e às testemunhas que deponham nestes tribunais e nos tribunais municipais destas cidades. Estes serviços prestam igualmente apoio nos tribunais de pequena instância criminal e encaminham as vítimas e as testemunhas, consoante as suas necessidades, para instituições e organizações especializadas da sociedade civil.

São prestadas informações e apoio por via telefónica e à entrada da vítima ou testemunha no edifício do tribunal. São ainda prestadas informações por correio eletrónico.

Para obter mais informações, visite a seguinte página do Ministério da Justiça da Croácia:

A ligação abre uma nova janelahttps://pravosudje.gov.hr/o-ministarstvu/djelokrug-6366/iz-pravosudnog-sustava-6372/podrska-zrtvama-i-svjedocima/6156

A polícia encaminhar-me-á imediatamente para os serviços de apoio às vítimas?

Ao informá-la dos seus direitos, a polícia fornecerá à vítima informações por escrito sobre os seus direitos e as informações disponíveis sobre os serviços de apoio às vítimas, incluindo o número da linha telefónica gratuita de apoio às vítimas. A brochura informativa sobre os direitos inclui os contactos:

  • do serviço competente de apoio às vítimas e às testemunhas;
  • das organizações da sociedade civil no condado em causa;
  • do Centro Nacional de Chamadas para o Apoio às Vítimas de Crimes (116-006);

Como é protegida a minha vida privada?

As autoridades competentes podem recolher dados pessoais apenas para os fins previstos na lei, no âmbito das suas operações estabelecidas pelo Código de Processo Penal.

Os dados pessoais só podem ser tratados nos termos de uma lei ou de outro ato legislativo, estando esse tratamento limitado aos fins para os quais os dados foram recolhidos. É permitido o tratamento posterior desses dados, salvo se tal for contrário aos fins para os quais foram recolhidos e desde que os organismos competentes estejam autorizados a tratá-los para outros fins previstos na lei e o seu tratamento posterior seja necessário e proporcional a esses outros fins.

Os dados pessoais relativos à saúde ou à vida sexual apenas podem ser tratados em casos excecionais em que o crime seja punível com uma pena de prisão de cinco anos ou mais e não possa ser detetado ou estabelecido de outra forma, ou em que a sua deteção ou estabelecimento enfrente dificuldades desproporcionais.

Não é permitido o tratamento de dados pessoais relativos à raça, à origem étnica, a convicções políticas, religiosas ou filosóficas ou à filiação sindical.

Os dados pessoais recolhidos para efeitos do processo penal podem ser encaminhados para organismos públicos em conformidade com uma lei especial e para outras pessoas coletivas apenas se o Ministério Público ou o tribunal considerarem que necessitam de tais dados para um fim previsto na lei. Aquando da transmissão de tais dados, as pessoas coletivas em causa serão lembradas da sua obrigação de proteger os dados das pessoas a que se referem.

De acordo com a legislação, os dados pessoais podem ser utilizados noutros processos penais, noutros processos relativos a atos puníveis em curso na Croácia, em processos relativos à assistência no quadro da justiça penal internacional e em esforços de cooperação policial internacional.

É necessário denunciar primeiro um crime para poder beneficiar dos serviços de apoio às vítimas?

A vítima receberá informações e apoio do serviço de apoio às vítimas e às testemunhas do tribunal ou organização da sociedade civil em causa mesmo que não denuncie o crime.

Proteção pessoal da vítima caso esteja em perigo

Nos termos do artigo 99.º da Lei dos Serviços e Competências Policiais, a polícia assegurará, salvo disposição em contrário numa lei especial e enquanto houver motivos fundamentados para tal ação, a proteção adequada da vítima e de qualquer outra pessoa que tenha prestado ou possa prestar informações relevantes para o processo penal, ou de qualquer pessoa delas próxima, caso corram risco de perigo causado pelo autor do crime ou por outras pessoas envolvidas no processo penal. Entende-se por proteção à vítima por parte da polícia uma proteção física 24/24 horas.

Que tipos de proteção são assegurados?

Nos termos do artigo 130.º da Lei dos Delitos, a polícia pode, temporariamente, por um prazo não superior a oito dias, impor uma medida cautelar a qualquer pessoa fundadamente suspeita de ter cometido um crime. Na prática, tal traduz-se geralmente em proibir o suspeito de visitar um determinado local ou zona (com expulsão da residência da vítima), de se aproximar de uma determinada pessoa ou de estabelecer ou manter contacto com uma determinada pessoa. No prazo de oito dias, a polícia submete o processo ao tribunal de pequena instância criminal competente, o qual decide em seguida suspender ou prorrogar a medida cautelar. Além disso, durante o processo de infração, o tribunal pode, nos termos da Lei relativa à (Proteção contra a) Violência Doméstica, impor as seguintes medidas ao autor do crime:

  1. tratamento psicossocial compulsivo;
  2. proibição de se aproximar, assediar ou perseguir a vítima de violência doméstica;
  3. expulsão da residência comum;
  4. tratamento compulsivo de toxicodependência.

Nos termos da Lei dos Delitos, o tribunal pode também ordenar outras medidas de proteção e cautelares para proteger a vítima da aproximação ou assédio do suspeito.

Além disso, nos termos do Código de Processo Penal, o tribunal e o procurador podem, em alternativa à detenção da pessoa acusada, impor uma ou mais medidas cautelares, nomeadamente proibir o autor do crime de visitar um determinado local ou zona (expulsão da residência da vítima), de se aproximar de uma determinada pessoa ou de estabelecer ou manter contacto com uma determinada pessoa, proibi-lo de perseguir ou assediar a vítima ou outra pessoa ou expulsá-lo da residência da vítima.

Quem deve assegurar a proteção da vítima?

A vítima pode obter junto da polícia informações sobre todos os seus direitos, incluindo informações sobre o seu direito à proteção, os tipos de proteção oferecida e as medidas tomadas pela polícia para sua proteção.

Será a minha situação avaliada para determinar a minha exposição ao risco de sofrer um novo prejuízo infligido pelo autor do crime?

Uma vez concluída a investigação e apresentados os documentos pertinentes aos órgãos de justiça penal competentes, a polícia não avaliará mais as necessidades da vítima, exceto para tomar uma das medidas de proteção ou cautelares impostas. Caso tenha conhecimento de novas circunstâncias que apontem para uma nova ameaça por parte do autor do crime, a polícia toma medidas para proteger a vítima em conformidade com a sua avaliação e os factos do processo.

Será a minha situação avaliada para determinar a minha exposição ao risco de sofrer um novo prejuízo infligido pelo sistema judicial penal (no decorrer da investigação e do julgamento)?

O sistema judicial penal (durante a investigação e o processo) atua de forma a respeitar os direitos da vítima e o seu estatuto no processo penal, nos termos do Código de Processo Penal. Antes de interrogar a vítima, o órgão de acusação que conduz a investigação avaliará a situação da vítima em cooperação com os organismos, organizações ou instituições que prestam apoio e assistência às vítimas de crimes. A avaliação da situação da vítima passa por determinar a necessidade de aplicar medidas de proteção especiais a favor da vítima. Se tal necessidade existir, o órgão de acusação determinará as medidas de proteção a aplicar (formas especiais de inquirição da vítima, utilização de tecnologias da comunicação para evitar qualquer contacto visual entre a vítima e o autor do crime e outras medidas previstas na lei). Caso a vítima do crime seja uma criança, presume-se a necessidade de aplicar medidas de proteção especiais, que serão determinadas em conformidade. A avaliação da situação da vítima tem em especial consideração as características pessoais da vítima, o tipo e natureza do crime e as circunstâncias em que o crime foi cometido. Será dada especial atenção às vítimas que sofreram danos importantes devido à gravidade do crime, às vítimas de um crime cometido devido às suas características pessoais e às vítimas que sejam particularmente vulneráveis devido à sua relação com o autor do crime.

Que proteção é oferecida às vítimas particularmente vulneráveis?

O sistema judicial penal (durante a investigação e o processo) atua de forma a respeitar os direitos da vítima e o seu estatuto no processo penal, nos termos do Código de Processo Penal. Antes de interrogar a vítima, o órgão de acusação que conduz a investigação avaliará a situação da vítima em cooperação com os organismos, organizações ou instituições que prestam apoio e assistência às vítimas de crimes. A avaliação da situação da vítima passa por determinar a necessidade de aplicar medidas de proteção especiais a favor da vítima. Se tal necessidade existir, o órgão de acusação determinará as medidas de proteção a aplicar (formas especiais de inquirição da vítima, utilização de tecnologias da comunicação para evitar qualquer contacto visual entre a vítima e o autor do crime e outras medidas previstas na lei). Caso a vítima do crime seja uma criança, presume-se a necessidade de aplicar medidas de proteção especiais, que serão determinadas em conformidade. A avaliação da situação da vítima tem em especial consideração as características pessoais da vítima, o tipo e natureza do crime e as circunstâncias em que o crime foi cometido. Será dada especial atenção às vítimas que sofreram danos importantes devido à gravidade do crime, às vítimas de um crime cometido devido às suas características pessoais e às vítimas que sejam particularmente vulneráveis devido à sua relação com o autor do crime.

A vítima é menor. São os seus direitos específicos reconhecidos?

Se for menor, a vítima do crime goza de vários direitos suplementares:

  1. direito a ser representada por uma pessoa autorizada, sendo o custo de tal representação suportado pelo orçamento do Estado;
  2. direito ao tratamento confidencial dos seus dados pessoais;
  3. direito a ser inquirida à porta fechada.

Entende-se por menor qualquer pessoa com menos de 18 anos de idade.

Uma testemunha ou vítima menor é interrogada pelo juiz de investigação numa audiência para apreciação de provas, sendo a convocatória enviada para os seus pais ou tutores.

Um familiar meu morreu por causa do crime. Quais são os meus direitos?

De acordo com a lei sobre as (indemnizações às) vítimas de crimes, caso a vítima direta morra devido a um crime violento, a vítima indireta (cônjuge, parceiro, membro da família de acolhimento, madrasta, padrasto ou filho adotivo da vítima direta ou a pessoa do mesmo sexo com quem esta mantinha uma relação) tem, nos termos da referida lei, direito a uma indemnização.

A vítima indireta que era suportada pela vítima (direta) falecida tem direito a uma indemnização no montante máximo de 70 000 HRK devido à perda da sua subsistência e a uma indemnização no montante máximo de 5 000 HRK a título de subsídio de funeral, caso tenha suportado as despesas do mesmo.

Qualquer pessoa com um familiar que tenha perdido a vida como vítima de um crime tem direito, enquanto parte civil, a participar no processo penal e a exigir uma indemnização (seja num processo penal seja num civil).

Um familiar meu foi vítima do crime. Quais são os meus direitos?

Entende-se por vítima indireta o cônjuge, parceiro, filho, membro da família de acolhimento, madrasta, padrasto ou filho adotivo da vítima direta ou a pessoa do mesmo sexo com quem esta mantinha uma relação.

Considera-se também vítima indireta o avô, a avó ou o neto se um deles for a vítima direta, desde que os três partilhassem o mesmo agregado desde há um longo período e o avô e a avó estivessem a substituir os pais do neto.
As relações em regime de união de facto e entre pessoas do mesmo sexo serão interpretadas nos termos da legislação croata.

Se a vítima de um crime perder a vida, as vítimas indiretas têm direito a uma indemnização (em resultado da perda da subsistência e a título de subsídio de funeral).

Posso ter acesso a serviços de mediação? Em que condições? Ficarei em segurança durante a mediação?

A Croácia aplica o modelo da mediação entre a vítima e o autor do crime no quadro dos processos preventivos para menores e jovens delinquentes. Este modelo insere-se no sistema de liberdade condicional. Observa assim o disposto na Lei sobre os Tribunais de Menores, que estabelece a obrigação especial de os menores e jovens delinquentes autores de crimes serem sujeitos ao processo de mediação por resolução extrajudicial. Por outras palavras, se o menor e jovem delinquente cumprir esta obrigação, evitará ter de ir a julgamento.

Desde 2013, a Croácia teve um total de 60 mediadores formados num programa de um ano com 170 horas letivas (consistindo em palestras, trabalhos, sociodramas, exercícios práticos de tutoria, e supervisão). Na Croácia, são os únicos profissionais autorizados a administrar a justiça reparadora em processos penais. São certificados pelo Ministério da Política Social e da Juventude da Croácia, pela Associação da Resolução Extrajudicial e pela UNICEF.

Deste modo, cada capital condal da Croácia tem o seu serviço de resolução extrajudicial.

Onde posso consultar a legislação que estabelece os meus direitos?

A ligação abre uma nova janelaCódigo de Processo Penal
A ligação abre uma nova janelaLei sobre as (indemnizações às) vítimas de crimes

Última atualização: 08/10/2018

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.
Os Estados-Membros responsáveis pela gestão das páginas com conteúdos nacionais estão a proceder atualmente à atualização de alguns dos conteúdos deste portal para ter em conta a saída do Reino Unido da União Europeia. A eventual permanência de conteúdos que não refletem a saída do Reino Unido é involuntária e será devidamente corrigida.

O texto desta página na língua original croata foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.

2 - Denúncia do crime e direitos que me assistem durante o inquérito ou julgamento

Como posso denunciar um crime?

A denúncia é apresentada junto do procurador competente por escrito, oralmente ou por qualquer outro meio.

Se a denúncia for apresentada oralmente, a pessoa que a apresenta será informada das consequências de uma falsa declaração. As denúncias apresentadas oralmente são registadas em auto. Se o autor da denúncia a apresentar por telefone ou através de outro dispositivo de telecomunicações, o seu depoimento será gravado, na medida do possível, e registado.

Se a pessoa que apresenta a denúncia for a vítima, receberá uma confirmação da apresentação da denúncia por escrito com as principais informações sobre o crime denunciado. Se não falar ou não compreender a língua do organismo competente, a vítima poderá apresentar a denúncia numa língua que compreenda com a ajuda de um intérprete ou de outra pessoa que fale e compreenda a língua do organismo competente e a língua utilizada pela vítima. A pedido da vítima que não fala ou não compreende a língua utilizada pelo organismo competente, a confirmação por escrito da denúncia será traduzida para a língua que a vítima compreende, sendo os custos suportados pelo orçamento de Estado.

Se for apresentada junto de um tribunal, da polícia ou de um procurador não competente, a denúncia será por eles recebida e imediatamente transmitida ao procurador competente.

O procurador inscreve a denúncia no registo das denúncias aquando da sua apresentação, exceto nos casos previstos na lei.

Se o procurador receber apenas uma declaração sobre o cometimento de um crime ou sobre a receção de uma declaração da vítima, registará esse facto numa nota inscrita no registo dos processos penais e procederá de acordo com a lei.

Se não tiver informações sobre o crime, mais especificamente, se o procurador não conseguir dela deduzir o crime denunciado, a denúncia será inscrita no registo dos processos penais e o procurador solicitará ao demandante que corrija e complete a sua declaração no prazo de quinze dias.

Se o demandante não o fizer, o procurador toma nota desse facto. Nos oito dias a contar do termo do prazo para corrigir ou completar a denúncia, o procurador informa da denúncia o procurador da categoria superior, que pode ordenar a inscrição da denúncia no registo das denúncias.

Como posso informar-me sobre o seguimento dado ao processo?

A vítima e a parte lesada têm o direito de pedir ao procurador-geral, no prazo de dois meses a contar da data de apresentação da denúncia ou da observação do crime, informações sobre as medidas tomadas durante o processo aquando da apresentação da denúncia ou da observação do crime. O procurador informá-las-á das medidas tomadas dentro de um prazo razoável e o mais tardar trinta dias após a receção do pedido, a menos que tal comprometa a eficácia do processo. O procurador é obrigado a informar a vítima e a parte lesada de um eventual indeferimento do seu pedido.

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem o direito de ser informada do resultado do processo.

Tenho direito a assistência jurídica (durante a investigação ou o julgamento)? Em que condições?

Além dos direitos acima referidos, as vítimas de crimes que lesem a liberdade sexual e as vítimas de crimes de tráfico de seres humanos têm o direito de, antes de serem inquiridas, obter aconselhamento suportado pelo orçamento de Estado e podem beneficiar dos serviços de um representante suportados pelo Estado.

Caso seja uma criança, a vítima do crime, além dos direitos referidos, tem também o direito de beneficiar dos serviços de um representante suportados pelo Estado.

As vítimas de crimes têm direito a assistência jurídica primária e secundária. A assistência jurídica é gratuita para as vítimas de crimes caracterizados por atos de violência, no quadro do exercício do direito de reparação pelos danos causados pelo cometimento de um crime.

De acordo com a lei sobre a assistência jurídica gratuita, esta pode ser primária ou secundária.

A assistência jurídica primária consiste em informar as vítimas sobre os seus direitos em geral, prestar-lhes aconselhamento jurídico, ajudá-las a apresentar as suas observações junto dos organismos de direito público, do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem e de organizações internacionais em conformidade com os tratados internacionais e as regras que regem o seu funcionamento, acompanhá-las perante os organismos de direito público e prestar-lhes assistência jurídica nos processos de resolução extrajudicial do litígio.

A assistência jurídica primária pode ser prestada em todos os processos jurídicos:

  • se o demandante não tiver conhecimentos nem capacidade suficientes para fazer valer os seus direitos;
  • se o demandante não receber assistência jurídica com base em legislação especial;
  • se o pedido apresentado não for manifestamente infundado;
  • se a situação material do demandante for tal que o recurso à assistência jurídica possa colocá-lo em risco, bem como aos membros do seu agregado familiar.

Para solicitar a assistência jurídica primária, a pessoa lesada deve contactar a pessoa que a presta.

A assistência jurídica secundária permite que as pessoas lesadas disponham de aconselhamento jurídico, apresentem observações para proteger os direitos dos trabalhadores perante o seu empregador, apresentem denúncias nos tribunais, disponham de um representante perante os tribunais, disponham de assistência jurídica para a resolução pacífica dos litígios e gozem da isenção das custas judiciais.

A assistência jurídica secundária pode ser prestada:

  1. se estiver em causa um procedimento mais complexo;
  2. se o demandante não tiver capacidade para se fazer representar;
  3. se a situação material do demandante for tal que o pagamento da assistência jurídica profissional seja suscetível de comprometer os seus meios de subsistência e os dos membros do seu agregado familiar;
  4. se não estiver em causa um litígio perigoso;
  5. se, no decurso dos últimos seis meses a contar da data da apresentação do pedido, este não tiver sido indeferido devido a uma declaração deliberadamente falsa;
  6. se o demandante não receber assistência jurídica com base em legislação especial.

A assistência jurídica secundária será concedida sem determinar a situação económica se o demandante for:

  1. uma criança no exercício do seu direito de ser mantida;
  2. uma vítima de um crime envolvendo atos de violência que pretenda exercer o seu direito à indemnização pelos danos causados pelo crime;
  3. uma pessoa beneficiária de uma ajuda de subsistência em conformidade com a legislação especial que rege o exercício dos direitos no sistema de proteção social, ou
  4. uma pessoa beneficiária de uma pensão nos termos da lei sobre os direitos dos antigos combatentes da guerra da independência e dos seus familiares e da lei sobre a proteção dos inválidos civis e militares de guerra.

Para iniciar um procedimento com vista à obtenção de assistência jurídica secundária, a pessoa lesada deve apresentar um pedido junto do serviço competente. O pedido é efetuado através do formulário previsto para o efeito.

Posso obter o reembolso das minhas despesas (decorrentes da minha participação na investigação/no julgamento)? Em que condições?

Se a pessoa acusada for considerada culpada pelo tribunal, deverá suportar, na totalidade ou em parte, as custas do processo penal, a menos que existam condições de isenção.

Caso um processo penal seja suspenso ou seja proferida uma sentença absolvendo o arguido, da decisão judicial deverá constar que as custas do processo penal previstas no artigo 145.º, n.º 2, pontos 1) a 5), da presente lei, as despesas dos arguidos e os honorários dos advogados de defesa serão suportados pelo orçamento de Estado, exceto nos casos previstos na lei.

Caso o meu processo seja encerrado sem ser julgado, disponho de alguma via de recurso?

As vítimas cuja denúncia junto da justiça penal seja rejeitada podem intentar ações penais.

Caso determine que não há motivos para dar seguimento a uma denúncia através de um processo penal iniciado por iniciativa própria ou considere que não há motivos para acusar uma das pessoas objeto da denúncia, o procurador tem de informar desse facto a vítima num prazo de oito dias para que esta possa dar continuidade à sua ação. O tribunal também agirá do mesmo modo se decidir suspender o processo devido à demissão de um procurador noutros processos.

Posso participar no julgamento?

Nos termos da presente lei, no quadro do processo penal, a pessoa lesada tem direito a:

  • exprimir-se na sua língua, incluindo em linguagem gestual para surdos ou surdos e cegos, e ter a assistência de um intérprete, se não compreender ou não falar o croata, ou a assistência de um tradutor ou de um intérprete de linguagem gestual se for surda ou surda e cega;
  • intentar uma ação patrimonial ou apresentar um pedido para a adoção de medidas cautelares;
  • constituir um representante;
  • denunciar factos ou apresentar provas;
  • assistir às audiências de instrução;
  • assistir aos debates e participar no processo de instrução, e fazer uma declaração final;
  • consultar o processo nos termos do artigo 184.º, n.º 2, da presente lei;
  • ser informada pelo procurador do seguimento dado à sua ação judicial e apresentar queixa junto de um procurador de nível superior;
  • interpor um recurso;
  • pedir uma restituição por inteiro;
  • ser informada do resultado do processo penal.

Qual é o meu papel oficial no sistema judicial? Sou, por exemplo, vítima, testemunha, parte civil ou acusador particular, ou posso constituir-me como tal?

A vítima de um crime é uma pessoa singular que sofreu danos físicos, mentais e materiais ou uma violação dos seus direitos e liberdades fundamentais em consequência direta de um crime. Os cônjuges e parceiros, formais ou não, são também considerados vítimas. No limite, são considerados vítimas os ascendentes, irmãos e irmãs da pessoa cuja morte tenha sido diretamente causada pelo crime e os dependentes da vítima nos termos da lei.

A parte lesada é vítima do crime e a pessoa coletiva contra a qual foi cometido o crime, e participa no processo na qualidade de pessoa lesada.

A natureza da parte ou do participante no processo penal não depende da vontade de uma pessoa, mas do papel que ela desempenhou num determinado processo penal. Nas circunstâncias previstas na lei, uma pessoa pode assumir um dos papéis processuais acima mencionados de modo que certos direitos que lhe assistem enquanto pessoa lesada ou vítima de um crime possam ser exercidos de acordo com a sua vontade.

Quais são os meus direitos e obrigações nesta qualidade?

Qualquer vítima de um crime tem direito:

  • a aceder aos serviços de apoio às vítimas de crimes,
  • a obter apoio psicológico e outros tipos de apoio especializado prestado por organismos, organizações ou instituições de apoio às vítimas de crimes em conformidade com a lei,
  • à proteção contra a intimidação e a retaliação,
  • à proteção da sua dignidade durante as inquirições enquanto testemunha,
  • a ser ouvida sem atrasos injustificados após a apresentação da denúncia e a que as inquirições posteriores se limitem ao necessário para efeitos do processo penal,
  • a ser acompanhada por pessoas de confiança durante os processos em que participa,
  • a ser sujeita ao menor número possível de tratamentos médicos e apenas se forem realmente necessários para efeitos do processo penal,
  • a intentar uma ação penal e apresentar um requerimento particular ao abrigo do disposto no Código Penal, a participar no processo penal como pessoa lesada, a ser informada do indeferimento da denúncia penal (artigo 206.º, n.º 3, da presente lei) e da renúncia do Ministério Público à instauração de qualquer processo penal, bem como o direito a intentar uma ação penal em vez do Ministério Público,
  • a ser informada pelo procurador do seguimento dado à sua ação judicial (artigo 206.º-A da presente lei), e a apresentar queixa junto de um procurador de nível superior (artigo 206.º-B da presente lei),
  • a ser informada, a seu pedido e sem atrasos excessivos, do fim da detenção preventiva ou da evasão da pessoa acusada e da libertação do arguido da sua pena de prisão, bem como das medidas que serão tomadas para assegurar a sua proteção,
  • a ser informada, a seu pedido, de quaisquer decisões de encerramento definitivo do processo penal,
  • e outros direitos previstos na lei.

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem direito a:

  • exprimir-se na sua língua, incluindo em linguagem gestual para surdos ou surdos e cegos, e ter a assistência de um intérprete, se não compreender ou não falar o croata, ou a assistência de um tradutor ou de um intérprete de linguagem gestual se for surda ou surda e cega;
  • intentar uma ação patrimonial ou apresentar um pedido para a adoção de medidas cautelares;
  • constituir um representante;
  • denunciar factos ou apresentar provas;
  • assistir às audiências de instrução;
  • assistir aos debates e participar no processo de instrução, e fazer uma declaração final;
  • consultar o processo nos termos da lei;
  • ser informada pelo procurador do seguimento dado à sua ação judicial e apresentar queixa junto de um procurador de nível superior;
  • interpor um recurso;
  • pedir uma restituição por inteiro;
  • ser informada do resultado do processo penal.

Adicionalmente, qualquer vítima de um crime lesivo da liberdade sexual ou de um crime de tráfico de seres humanos goza dos direitos enumerados no ponto 12.

Se a vítima do crime for uma criança, os direitos acima mencionados são complementados pelos direitos enumerados no ponto 13.

Durante a instrução, as vítimas de crimes têm o direito, enquanto requerentes particulares e pessoas lesadas, de invocar os factos e apresentar as provas úteis para estabelecer o crime, identificar o autor do crime e estabelecer as suas pretensões patrimoniais.

O Ministério Público e o tribunal são obrigados a apreciar, antes e em cada fase do processo penal, se existe a possibilidade de o arguido reparar os danos causados pelo crime à pessoa lesada. São também obrigados a informar a parte lesada de determinados direitos consagrados na legislação (tais como o direito de a pessoa lesada se exprimir na sua própria língua, o direito de se constituir parte civil, etc.).

São designadas testemunhas as pessoas suscetíveis de ter informações sobre o crime, o seu autor e outras circunstâncias importantes.

A parte lesada, a parte lesada enquanto requerente e a parte civil podem ser interrogadas enquanto testemunhas.

A parte civil tem os mesmos direitos de um procurador, exceto os direitos de que o procurador goza na qualidade de autoridade do Estado.

Posso apresentar declarações ou provas no julgamento? Em que condições?

Durante o processo penal, a parte lesada exerce os direitos referidos no ponto 25.

Que informações me serão comunicadas durante o julgamento?

Durante a instrução, as vítimas de crimes têm o direito, enquanto partes civis e pessoas lesadas, de invocar os factos e apresentar as provas úteis para estabelecer o crime, identificar o autor do crime e estabelecer as suas pretensões patrimoniais.

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem o direito de:

  • ser informada pelo procurador do seguimento dado à sua ação judicial e apresentar queixa junto de um procurador de nível superior;
  • ser informada do indeferimento da denúncia penal ou da renúncia do Ministério Público à instauração de qualquer processo penal;
  • ser informada do resultado do processo penal.

Terei acesso aos documentos judiciais?

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem o direito de consultar os autos do processo.

Última atualização: 08/10/2018

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.
Os Estados-Membros responsáveis pela gestão das páginas com conteúdos nacionais estão a proceder atualmente à atualização de alguns dos conteúdos deste portal para ter em conta a saída do Reino Unido da União Europeia. A eventual permanência de conteúdos que não refletem a saída do Reino Unido é involuntária e será devidamente corrigida.

O texto desta página na língua original croata foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.

3 - Os meus direitos após o julgamento

Posso interpor um recurso contra uma decisão judicial?

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem o direito de interpor um recurso.

As pessoas autorizadas podem recorrer de uma sentença proferida em primeira instância no prazo de 15 dias a contar da data da notificação da sentença.

O recurso pode ser interposto pelas partes no litígio, pelo arguido ou pela pessoa lesada.

Qualquer pessoa lesada pode recorrer com base numa decisão de um tribunal sobre as custas de um processo penal e numa decisão sobre uma ação com constituição de parte civil. No entanto, se o procurador-geral retomar o processo intentado pela pessoa lesada enquanto autora da denúncia, esta pode interpor recurso com base em qualquer motivo admissível para contestar a decisão.

Quais são os meus direitos após o proferimento da decisão?

Qualquer vítima que participe num processo penal enquanto pessoa lesada tem o direito de interpor um recurso e pedir que seja reinvestida nos seus direitos.

Tenho direito a apoio ou proteção após o julgamento? Durante quanto tempo?

As unidades de apoio às vítimas e às testemunhas criadas nos tribunais condais prestam informações e apoio às vítimas e testemunhas em todas as fases do processo penal, desde o cometimento do crime até ao proferimento da decisão.

Se as vítimas ou as testemunhas se dirigirem à unidade de apoio às vítimas e às testemunhas após o proferimento da decisão, a unidade prestar-lhes-á informações nos domínios das suas competências e encaminhá-las-á para as organizações e serviços adequados às suas necessidades.

O serviço independente de apoio às vítimas e às testemunhas do Ministério da Justiça presta às vítimas, às pessoas lesadas e às suas famílias informações sobre a libertação do arguido (libertação automática e em regime de liberdade condicional). As informações são prestadas a todas as vítimas e pessoas lesadas na sequência de crimes graves, nomeadamente crimes que atentem contra a vida e a integridade física, crimes de caráter sexual e crimes violentos, bem como crimes de guerra.

Excecionalmente, caso considere ser necessário prestar um apoio suplementar coordenado a uma vítima desde há muito sujeita a atos de violência doméstica e violência contra as mulheres, o serviço independente deve informar o coordenador da equipa do condado responsável pela prevenção e luta contra a violência doméstica e a violência contra as mulheres sobre a entrevista que teve com a vítima e os problemas que ela enfrenta, e pedir-lhe que aja de forma adequada. Se necessário, as informações são também transmitidas ao serviço de polícia competente, ao serviço social competente, caso a vítima seja uma criança ou uma pessoa privada da sua capacidade jurídica, e ao serviço de acompanhamento da liberdade condicional competente, caso o autor do crime se encontre em liberdade condicional e seja obrigado a apresentar-se regularmente no referido serviço.

Excecionalmente, caso conclua, com base nas informações obtidas junto da vítima, ser necessário prestar-lhe apoio e proteção suplementares, o serviço independente pode, com a anuência da vítima, pedir a intervenção do serviço de polícia competente.

De igual modo, as vítimas têm o apoio das organizações da sociedade civil logo após o cometimento do crime, durante o processo penal e ainda após o proferimento da decisão final. A assistência e o apoio prestados pelas organizações da sociedade civil variam de acordo com os seus domínios de competência.

Que informações me serão comunicadas se o autor do crime for condenado?

A sentença escrita com informações sobre as vias de recurso é notificada ao autor da denúncia, ao arguido, ao seu advogado, à pessoa lesada, se esta tiver direito a interpor recurso, à parte cujo bem é confiscado ao abrigo da decisão e à pessoa coletiva cujos produtos do crime são apreendidos.

A pessoa lesada sem direito a interpor recurso será notificada da sentença escrita em conformidade com as disposições legislativas e com informações sobre as formas de suspensão do prazo de recurso. A sentença final é notificada à pessoa lesada a seu pedido.

Serei informado(a) em caso de libertação (antecipada ou em regime de liberdade condicional) ou de evasão do autor do crime?

Nos termos da lei sobre o processo penal, a vítima tem o direito de ser imediatamente informada pela polícia do termo da prisão ou da detenção preventiva do arguido, exceto se daí resultar o risco de colocar este último em perigo. A vítima é igualmente informada das eventuais medidas tomadas para a proteger.

Em caso de evasão, os estabelecimentos penitenciários e prisionais não informam o serviço independente de apoio às vítimas e às testemunhas, mas apenas a polícia através de uma nota oficial. No entanto, prevê-se para breve a alteração da lei sobre este aspeto.

A vítima tem o direito, a seu pedido, de ser informada sem demora do termo da prisão ou da detenção preventiva do arguido e da sua libertação, bem como das medidas tomadas para proteger a sua segurança.

As vítimas são informadas da libertação normal ou em regime de liberdade condicional da pessoa detida por crimes graves contra elas: crimes contra a vida e a integridade física, crimes de caráter sexual e crimes violentos, bem como crimes de guerra.

Serei associado(a) às decisões de libertação normal ou em regime de liberdade condicional? Poderei, por exemplo, fazer uma declaração ou interpor recurso?

As declarações da vítima de crimes violentos, bem como outras informações pertinentes sobre ela, são tidas em consideração na decisão sobre uma eventual saída de um recluso aos fins de semana. A declaração da vítima integra também o processo da liberdade condicional, mas as disposições em vigor não preveem a participação da vítima no processo de decisão nem a possibilidade de recorrer desta última.

Última atualização: 08/10/2018

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.
Os Estados-Membros responsáveis pela gestão das páginas com conteúdos nacionais estão a proceder atualmente à atualização de alguns dos conteúdos deste portal para ter em conta a saída do Reino Unido da União Europeia. A eventual permanência de conteúdos que não refletem a saída do Reino Unido é involuntária e será devidamente corrigida.

4 - Indemnização

Que procedimento devo seguir para pedir uma reparação ao autor do crime (por exemplo, ação judicial, processo civil, constituição de parte civil)?

Nos termos de legislação especial, se a vítima de um crime punível com uma pena de prisão igual ou superior a cinco anos sofrer graves danos psicofísicos ou sequelas graves em resultado desse crime, tem o direito de beneficiar de apoio especializado, suportado pelo orçamento de Estado, antes do seu depoimento no âmbito do processo penal ou antes de se constituir parte civil.

A denúncia com constituição de parte civil no âmbito de um processo penal pode ser intentada por uma pessoa mandatada para o efeito no âmbito de um processo civil.

Ao apresentar uma denúncia, a vítima de um crime é obrigada a indicar se foi indemnizada ou se intentou uma ação com constituição de parte civil.

O tribunal impôs ao autor do crime o pagamento a meu favor de perdas e danos/de uma indemnização. Como posso obrigar o autor do crime a efetuar este pagamento?

A partir do momento em que a denúncia com constituição de parte civil se torna definitiva e executória, a pessoa lesada pode solicitar ao tribunal de primeira instância a emissão de uma cópia autenticada da decisão com a indicação «executória».

Se a decisão não estabelecer o prazo para o cumprimento voluntário da obrigação, esta será executada no prazo de 15 dias a contar da data em que a decisão passou a ser definitiva. Após este prazo, a obrigação torna-se executória.

Se o autor do crime se recusar a pagar, posso obter um adiantamento do Estado? Em que condições?

As vítimas de crimes dolosos podem receber uma compensação pecuniária suportada pelo orçamento de Estado ao abrigo de uma lei especial. Se a vítima já tiver sido indemnizada na sequência de uma denúncia com constituição de parte civil, o montante da compensação pecuniária dependerá do montante da indemnização concedida. O tribunal agirá da mesma forma se a vítima já tiver recebido uma compensação pecuniária suportada pelo orçamento de Estado.

Tenho direito a uma compensação por parte do Estado?

As vítimas de crimes dolosos cometidos no território da República da Croácia após 1 de julho de 2013 têm direito a uma compensação pecuniária:

  • se forem nacionais da República da Croácia ou de outro Estado-Membro da UE ou se aí residirem;
  • se o crime contra elas cometido tiver resultado em lesões corporais graves ou tiver lesado gravemente a sua saúde;
  • se o crime tiver sido objeto de uma denúncia ou tiver sido registado pela polícia ou pelo Ministério Público no prazo de seis meses a contar da data em que foi cometido, com ou sem a identificação do autor;
  • se as vítimas tiverem apresentado um pedido num formulário oficial acompanhado dos documentos necessários (formulário disponível em todas as esquadras de polícia, serviços do Ministério Público e tribunais condais e municipais, bem como em formato eletrónico no sítio Web do Ministério da Justiça, do Ministério do Interior, do Ministério Público da República da Croácia e nos sítios Web dos tribunais condais e municipais).

A vítima tem direito a uma compensação:

  • pelas despesas médicas, dentro dos limites máximos vigentes na Croácia, não sendo esta compensação concedida se a vítima não tiver direito ao reembolso destas despesas ao abrigo do seguro de doença;
  • num montante máximo de 35 000 HRK pela perda de rendimento.

Tenho direito a uma compensação se o autor do crime não for condenado?

A vítima tem direito a uma compensação independentemente de o autor do crime ser ou não identificado e de o processo penal estar ou não em curso.

Tenho direito a algum apoio de emergência enquanto aguardo a decisão sobre o meu pedido de compensação?

Não estão previstos sistemas de apoios de emergência.

Última atualização: 08/10/2018

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.
Os Estados-Membros responsáveis pela gestão das páginas com conteúdos nacionais estão a proceder atualmente à atualização de alguns dos conteúdos deste portal para ter em conta a saída do Reino Unido da União Europeia. A eventual permanência de conteúdos que não refletem a saída do Reino Unido é involuntária e será devidamente corrigida.

O texto desta página na língua original croata foi recentemente alterado. A tradução deste texto para português está em curso.

5 - Os meus direitos a apoio e assistência

Fui vítima de um crime. A quem posso dirigir-me para obter apoio e assistência?

Centro de chamadas para apoio às vítimas

O Centro de Chamadas Nacional para o Apoio às Vítimas de Crimes (116-006) presta apoio psicológico, informações sobre os seus direitos e informações práticas, além de encaminhar as vítimas para outros serviços e organizações especializados, para a prestação de informações e apoio complementares de que eventualmente necessitem.

As chamadas são gratuitas.

O serviço funciona todos os dias úteis das 8h00 às 20h00, em croata e em inglês.

O Centro de Chamadas Nacional para o Apoio às Vítimas de Crimes (116-006) é o serviço geral de assistência.

Mais informações disponíveis em: A ligação abre uma nova janelahttp://pzs.hr/

Existem outras organizações especializadas da sociedade civil que prestam apoio e assistência às vítimas de crimes e às crianças, igualmente por via telefónica. Para obter mais informações, pode consultar o sítio Web do A ligação abre uma nova janelaMinistério da Justiça, no qual encontrará uma lista das organizações por condado.

Lista das organizações que prestam apoio psicossocial e jurídico no território da República da Croácia.

116 006

Centro de Chamadas Nacional para o Apoio às Vítimas de Crimes

todos os dias úteis das 8h00 às 20h00

116 000

Número nacional para o desaparecimento de crianças

Centro para as Crianças Desaparecidas e Vítimas de Maus Tratos

todos os dias 24/24 horas

116 111

Linha de apoio (Hrabri telefon) às crianças

todos os dias úteis das 9h00 às 20h00

0800 0800

Linha de apoio (Hrabri telefon) aos pais

todos os dias úteis das 9h00 às 20h00

0800 77 99

Linha de apoio para o combate ao tráfico de seres humanos

todos os dias das 10h00 às 18h00

0800 55 44

Centro de aconselhamento às mulheres vítimas de violência

Autonomna ženska kuca Zagreb

todos os dias úteis das 11h00 às 17h00

0800 655 222

Linha de apoio às crianças e mulheres vítimas de violência

Ženska pomoc sada

todos os dias 24/24 horas

0800 200 144

Assistência jurídica gratuita às vítimas de violência familiar B.a.B.e.

todos os dias úteis das 9h00 às 15h00

01 6119 444

Centro de apoio às vítimas de violência sexual

Ženska soba

todos os dias úteis das 10h00 às 17h00

01 48 28 888

Apoio psicológico

Centro de Psicologia TESA

todos os dias úteis das 10h00 às 22h00

01 48 33 888

Linha de apoio Plavi telefon

todos os dias úteis das 9h00 às 21h00

01 4811 320

Assistência jurídica gratuita

Centro de Consulta da Faculdade de Direito de Zagreb

todos os dias úteis das 10h00 às 12h00, quartas e quintas-feiras das 17h00 às 19h00

O apoio às vítimas é gratuito?

Sim, o apoio às vítimas é gratuito.

Que tipos de apoio posso obter junto dos serviços ou das autoridades do Estado?

As unidades de apoio às vítimas e às testemunhas prestam:

  1. apoio psicológico
  2. informações sobre direitos
  3. informações técnicas e práticas às vítimas e às testemunhas, bem como aos seus familiares
  4. encaminham as vítimas e as testemunhas, consoante as suas necessidades, para instituições e organizações especializadas da sociedade civil.

Unidades de apoio às vítimas e às testemunhas dos tribunais condais:

UNIDADES DE APOIO ÀS VÍTIMAS E ÀS TESTEMUNHAS

Tribunal do Condado de Osijek

endereço:

Europska avenija 7, 31000 Osijek

telefone:

031/228-500

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima@zsos.pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Rijeka

endereço:

Žrtava fašizma 7, 51000 Rijeka

telefone:

051/355-645

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima-ri@pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Sisak

endereço:

Trg Ljudevita Posavskog 5, 44000 Sisak

telefone:

044/524-419

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima-sk@zssk.pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Split

endereço:

Gunduliceva 29a, 21000 Split

telefone:

021/387-543

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima-st@pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Vukovar

endereço:

Zupanijska 33, 32000 Vukovar

telefone:

032/452-529

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima-vu@pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Zadar

endereço:

Borelli 9, 23000 Zadar

telefone:

023/203-640

endereço eletrónico:

A ligação abre uma nova janelapodrska-svjedocima@pravosudje.hr

Tribunal do Condado de Zagreb

endereço:

Trg N.Š. Zrinskog 5, 10000 Zagreb

telefone:

01/4801-062

O serviço independente de apoio às vítimas e às testemunhas, criado no Ministério da Justiça da República da Croácia, presta informações sobre direitos e apoio psicológico, bem como informações concretas sobre o apoio às vítimas e às testemunhas, incluindo as solicitadas, através da assistência jurídica internacional do estrangeiro, a testemunhar perante um tribunal na República da Croácia e as da República da Croácia solicitadas a testemunhar perante um tribunal no estrangeiro. O serviço independente envia às vítimas e testemunhas cartas com os contactos e informa-as sobre a libertação do arguido da sua pena de prisão (libertação regular ou em regime de liberdade condicional), e é competente para atribuir uma indemnização às vítimas de crimes.

Que tipos de apoio posso obter junto das organizações não governamentais?

Consoante o tipo de organização e as suas competências, é possível obter assistência ou apoio psicológico, emocional, jurídico, prático, alojamento, assistência médica ou acompanhamento e apoio perante o tribunal.

Para obter mais informações, pode consultar o sítio Web do A ligação abre uma nova janelaMinistério da Justiça, no qual encontrará uma lista das organizações por condado.

Existem doze serviços de acompanhamento da liberdade condicional no território da República da Croácia. A criação destes serviços tem por objetivos a humanização da execução das sanções penais, a reinserção e reintegração sociais mais eficazes das vítimas de crimes e a organização do apoio às vítimas, às pessoas lesadas, aos seus familiares e à família do autor do crime.

O serviço de acompanhamento da liberdade condicional participa também na aplicação das medidas de preparação do acolhimento do arguido após a sua libertação. As medidas consistem na organização de alojamento, na prestação de apoio durante a procura de emprego e na preparação da vítima, da pessoa lesada e da família da vítima para a libertação do autor do crime, bem como na organização de apoio psicossocial às vítimas, às pessoas lesadas e aos seus familiares, bem como à família do autor do crime.

Em caso de libertação de um detido condenado por um crime lesivo da liberdade sexual, castidade, vida ou corpo, ou por um crime com elementos de violência, o serviço de acompanhamento da liberdade condicional é obrigado a informar sem demora a vítima, a pessoa lesada ou a família.

Os contactos dos serviços de acompanhamento da liberdade condicional e dos serviços competentes em matéria de liberdade condicional do Ministério da Justiça estão disponíveis no A ligação abre uma nova janelasítio Web deste último.

As vítimas de crimes podem contactar a polícia por correio eletrónico: A ligação abre uma nova janelapolicija@mup.hr ou prevencija@mup.hr ou no número de telefone 192 (0-24) ou 00 385 1 3788 111.

Última atualização: 08/10/2018

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.
Os Estados-Membros responsáveis pela gestão das páginas com conteúdos nacionais estão a proceder atualmente à atualização de alguns dos conteúdos deste portal para ter em conta a saída do Reino Unido da União Europeia. A eventual permanência de conteúdos que não refletem a saída do Reino Unido é involuntária e será devidamente corrigida.